O direito fundamental ao conteúdo do próprio trabalho: uma reconstrução normativa do direito ao trabalho

Leonardo Vieira Wandelli

Resumo


Resumo: Pretende-se enfrentar a inefetividade do direito humano e fundamental ao trabalho a partir de um esforço de reconstrução normativa da sua fundamentação, apoiada em um duplo pilar teórico, nas teorias das necessidades e nas teorias do reconhecimento. Com isso, não somente se recupera a importância do vínculo entre trabalho e dignidade humana, como se explicitam aspectos essenciais da centralidade do trabalho para os sujeitos. A partir disso, o direito ao trabalho se desvela não apenas como necessidade radical, tendente à transformação da institucionalidade vigente, mas também como direito positivado em um amplo leque de normas internacionais e nacionais, que contempla diversas dimensões normativas atualmente exigíveis. Propõe-se que, no centro desse direito, está um direito fundamental ao conteúdo do próprio trabalho, que determina juridicamente as condições da atividade e da organização do trabalho. Recente estudo adotado pelo Alto Comissariado em Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre o direito ao trabalho reforça essa compreensão.
Palavras-chave: Direitos humanos. Direitos fundamentais. Direito ao trabalho. Psicodinâmica do trabalho. Direito do trabalho.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMO, Laís. Trabalho decente, igualdade de gênero e raça/etinia e desenvolvimento. Brasília, 2006, disponível em http://www.oit.org.br/prgatv/prg_esp/genero/seminariofinal/26/Lais%20Abramo.pdf.

ABRAMOVICH, Victor e COURTIS, Christian. Los derechos sociales como derechos exigibiles. 2ª ed., Madri, Trotta, 2004.

ALEMÃO, Ivan. Desemprego e direito ao trabalho. São Paulo, Esplanada/ADCOAS, 2002.

ALEXY, Robert. Teoria de los derechos fundamentales. Madrid, Centro de Estudios Constitucionales, 1993.

ALVES, Giovanni. Dimensões da precarização do trabalho. Bauru, Praxis, 2013.

BARRETTO GHIONE, Hugo. Derecho al trabajo y poder directivo del empleador: un replanteamiento. In: XXII Jornadas Uruguayas de Derecho del Trabajo y de la Seguridad Social . FCU. Noviembre 2011.

BAUMAN, Zygmunt. La sociedad individualizada. Madrid, Cátedra, 2001.

BAYLOS GRAU, Antonio e PÉREZ REY, Joaquín. El despido o la violência del poder privado. Madrid, Trotta, 2009.

BOBBIO, Norberto. A era dos direitos (trad. Carlos Nelson Coutinho). 10ª ed., Rio de Janeiro, Campus, 1992.

CHAVES JUNIOR, José E. R. Justiça do trabalho, tutela penal e garantismo. In: DELGADO, Gabriela et al. (orgs.). Dignidade humana e inclusão social: caminhos para a efetividade do direito do trabalho no Brasil. São Paulo, LTr, 2010, p. 126-142.

COLLINS, Hugh. Is There a Human Right to Work? In: MANTOUVALOU, Virginia (ed.). The Righ to Work: legal and philosophical perspectives. Oxford, Hart, 2015, p. 17-38.

COMPARATO, Fábio Konder. A afirmação histórica dos direitos humanos. 2ª ed., São Paulo, Saraiva, 2001.

CORTINA, Adela e CONILL, Jesus. Cambio en los valores del trabajo. In Sistema: Revista de Ciências Sociais, n. 168-169 (2002), p. 3-15.

DEJOURS, Christophe. Sublimação entre sofrimento e prazer no trabalho. Revista Portuguesa de Psicanálise, n. 33 (2), 2013, p. 9-28.

DEJOURS, Christophe. Prefácio, in WANDELLI, O direito humano e fundamental ao trabalho: fundamentação e exigibilidade. São Paulo, LTr, 2012, p. 13-16.

DEJOURS, Christophe. Addendum, in LANCMAN e SNELWAR, (orgs). Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. 3ª Ed., revista e ampliada, Rio de Janeiro, FIOCRUZ/Paralelo 15, 2011a, p. 57-123.

DEJOURS, Christophe. A saúde mental entre impulsos individuais e requisitos coletivos, in LANCMAN e SNELWAR, (orgs). Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. 3ª Ed., revista e ampliada, Rio de Janeiro, FIOCRUZ/Paralelo 15, 2011b, p. 409-430.

DEJOURS, Christophe. Travail vivant 1: sexualité et travail. Travail vivant 2: travail et émantipation. Paris, Payot, 2009.

DEJOURS, Christophe. BÈGUE, Florence. Suicide et travail: que faire? Paris, PUF, 2009.

DELGADO, Gabriela Neves. Direito fundamental ao trabalho digno. São Paulo, LTr, 2006.

DUTRA, Renata Queiroz. Direitos fundamentais sociais à afirmação da identidade e à proteção da subjetividade no trabalho. In: Revista do Tribunal Superior do Trabalho, vol 78, n. 4 (out-dez-2012), São Paulo, Lex-Magister, p. 256-287.

FERRARI, Regina M. M. N. Direito Constitucional. São Paulo, RT, 2011.

FONSECA, Maria Hemília. O direito ao trabalho: um direito fundamental no ordenamento jurídico brasileiro. São Paulo, LTr, 2009.

GALTUNG, Johan. Direitos humanos: uma nova perspectiva, Lisboa, Instituto Piaget, 1998.

GIUBBONI, Stefano. Il primo dei diritti sociali. Riflessioni sul diritto al lavoro tra Constituzione italiana e ordinamento europeo. in Informazione previdenziale, n. 3 del 2006, pp. 287-301. Disponível em http://aei.pitt.edu/13686/1/giubboni_n46-2006int.pdf.

GOMES, Fábio Rodrigues. O direito fundamental ao trabalho: perspectivas histórica, filosófica e dogmático-analítica. Rio de Janeiro, Lúmen Júris, 2008.

GRUPO KRISIS. Manifesto contra o trabalho.São Paulo, Conrad, 2003.

GUANCHE MARRERO, Alberto. El derecho del trabajador a la ocupación efectiva. Madrid, Civitas, 1993.

HÄBERLE, Peter. El estado constitucional (trad. Hector Fix-Fierro). México, D.F./Lima, UNAM/PUC-Peru, 2003.

HELLER, Agnes. Teoria de las necesidades em Marx, Barcelona, Península, 1978.

HERRERA FLORES, Joaquín. Los derechos humanos como productos culturales: crítica delhumanismo abstracto. Madrid, Catarata, 2005.

HINKELAMMERT, Franz e MORA JIMÉNEZ, Henry. Hacia uma economía para la vida. San José, Costa Rica, DEI, 2005.

HONNETH, Axel. Trabalho e reconhecimento: tentativa de uma redefinição. In Civitas: Revista de Ciências Sociais, v. 8, n. 1, jan-abr. 2008, p. 46-67.

_____.Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais (trad. Luiz Repa). São Paulo, Editora 34, 2003.

KURZ, Robert. O desfecho do masoquismo histórico – o capitalismo começa a libertar o homem do trabalho. Folha de São Paulo, São Paulo, 20.07.1997, Caderno Mais.

LANCMAN, Selma e SZNELWAR, Laerte Idal (Orgs.). Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. 3ª Ed., revista e ampliada, Rio de Janeiro, FIOCRUZ/Paralelo 15, 2011.

LEDUR, José Felipe. A realização do direito ao trabalho. Porto Alegre, Sérgio Antonio Fabris Editor, 1999.

LUCAS, Javier de; AÑON ROIG, Maria José. Necesidades, razones, derechos. In: Doxa, Cuadernos de Filosofía del Derecho. Alicante, n. 7, 1990, p. 55-81.

MANTOUVALOU, Virginia (ed.). The Righ to Work: legal and philosophical perspectives. Oxford, Hart, 2015.

MELLO, Celso de Albuquerque. A proteção dos direitos humanos sociais nas Nações Unidas. In SARLET, Ingo Wolfgang (org.). Direitos fundamentais sociais: estudos de direito constitucional, internacional e comparado. Rio de Janeiro, Renovar, 2003.

MONEREO PÉREZ, José Luiz e MOLINA NAVARRETE, Cristóbal. El derecho al trabajo, la libertad de elección de prefesión u oficio: principios institucionales del mercado de trabajo, in MONEREO PÉREZ, MOLINA NAVARRETE e MORENO VIDA (dir.), Comentario a la Constitución socio-económica de España, Granada, Comares, 2002.

MORAES FILHO, Evaristo de. O direito ao trabalho. In Conferência Nacional da Ordem dos Advogados do Brasil, 11-16 ago. 1974, Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Asgráfica, 1974.

MÜLLER, Friedrich. Discours de la méthode juridique. Paris, PUF, 1996.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS-ONU. A/HRC/31/32 (2016a), disponível em https://documents-dds-ny.un.org/doc/UNDOC/GEN/G15/288/28/PDF/G1528828.pdf?OpenElement

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS-ONU. E/C.12/GC/23 (2016b). General Comment No. 23 (2016) on the Right to just and favourable conditions of work (article 7 of the International Covenant on Economic, Social and Cultural Rights).

PIOVESAN, Flávia, Direito ao trabalho decente e a proteção internacional dos direitos sociais, Cadernos da AMATRA IV, Porto Alegre, ano VI, n. 16 (Nov. 2011), p. 20-54.

POHLMANN, Juan Carlos Zurita. Assédio moral organizacional: identificação e tutela preventiva. São Paulo, LTr, 2014.

POLANYI, Karl. A grande transformação: as origens de nossa época. 2ª ed., Rio de Janeiro, Elsevier/Campus, 2012.

RAMOS FILHO, Wilson. Direito Capitalista do Trabalho: história, mitos e perspectivas no Brasil. São Paulo, LTr, 2012.

ROMITA, Arion Sayão. Direitos fundamentais nas relações de trabalho. 3ª Ed., São Paulo, LTr, 2009.

SARLET, Ingo W.A eficácia dos direitos fundamentais. 7ª ed., Livraria do Advogado, Porto Alegre, 2007.

SARLET, Ingo W. e FIGUEIREDO, Mariana, Reserva do possível, mínimo existencial e direito à saúde: algumas aproximações, in SARLET e TIMM, (org), Direitos Fundamentais: orçamento e “reserva do possível”. Porto Alegre, Livraria do Advogado, 2008

SARLET, I.; MARINONI, L.G.; e MITIDIERO. Curso de direito constitucional. São Paulo, RT, 2012.

SASTRE IBARRECHE, Rafael. El derecho al trabajo. Madrid, Trotta, 1996.

SILVA, José Afonso. Curso de direito constitucional positivo. 20a ed., São Paulo, Malheiros, 2002.

SENNETT, Richard. A cultura do novo capitalismo. Rio de Janeiro, Record, 2006.

SÜSSEKIND, Arnaldo et alii. Instituições de direito do trabalho. 16a ed., São Paulo, LTr, 1996.

VIEIRA DE ANDRADE, José Carlos. Os direitos fundamentais na constituição portuguesa de 1976, Coimbra, Almedina, 1987.

WANDELLI, Leonardo Vieira. Valor social do trabalho e dignidade na Constituição. REDHES - Revista de derechos humanos y estudios sociales. San Luís Potosí, n. 10 (jul-dez-2013), p. 41-65.

WANDELLI, Leonardo Vieira. O direito humano e fundamental ao trabalho: fundamentação e exigibilidade. São Paulo, LTr, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.18593/ejjl.v17i3.10199

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Espaço Jurídico: Journal of Law [EJJL] - Qualis A2

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Espaço Jurídico: Journal of Law de Editora Unoesc está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://editora.unoesc.edu.br/index.php/espacojuridico/index.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em http://editora.unoesc.edu.br/

 

ISSN 2179-7943 |

Quadrimestral (3 números por ano)

INFORMAÇÃO: De 01.03.2013 a 25.01.2017 a EJJL adotou o contador de acessos Código Fonte e registrou 153.852 acessos únicos.
Para acompanhar também o acesso em outros países, a partir de 26.01.2017 adotamos um novo contador.
 
Visitas a partir de 26 janeiro 2017

contadores de visitas

Share